Vida vegetariana

Por um mundo melhor

O que eu “posso comer” na dieta vegetariana

with 6 comments

Uma das grandes preocupações das pessoas que cogitam a possibilidade de se tornarem vegetarianas é pensar no que se pode comer, tanto em casa como, principalmente, fora dela.

Em primeiro lugar, esclareço que sou vegetariano estrito. O que é isso? Vegetariano, em tese, é quem alimenta-se apenas de vegetais. Existem estágios (ou classificações) dentro do vegetarianismo, a saber:
- Ovo-lacto-vegetariano: alimenta-se de vegetais, ovos, lácteos e, talvez, mel;
- Lacto-vegetariano: alimenta-se de vegetais, lácteos e, talvez, mel;
- Ovo-vegetariano: alimenta-se de vegetais, ovos e, talvez, mel;
- Vegetariano estrito: alimenta-se de vegetais (e opcionalmente de produtos industrializados, assim como os demais);
- Vegano: é um vegetariano estrito que não contribui com a exploração animal também no vestuário (couro, seda, etc), diversão (circos com animais, zoológicos, shows aquáticos, aquários, etc), produtos testados em animais, assim como caçadas, tração e qualquer outro meio em que eles sejam utilizados;
- crudívoro: é um vegetariano estrito que só consome alimentos que não passaram pelo processo de cozimento ou qualquer outra transformação;
- frugívoro: é um vegetariano estrito que só consome frutas (excluindo da dieta os cereais, folhas e plantas).

Existem outras denominações mais recentes, como piscitariano (come vegetais e peixes) ou flexitariano (come carnes de vez em quando). Tecnicamente, estes não são vegetarianos.

Agora vamos ao que interessa: moro em João Pessoa, uma cidade que não tem um grande número de vegetarianos (pelo menos que eu tenha conhecimento), mesmo na comunidade local no Orkut. Aqui existe apenas um restaurante ovo-lacto-vegetariano, o Govinda, sendo uma boa opção também para os estritos. Há também restaurantes naturais (de produtos orgânicos), como o Oca. Mas nesse post, quero colocar justamente o cardápio de rotina e as soluções improvisadas que, combinadas ou mesmo isoladas, podem ser uma boa refeição ou, pelo menos, dar uma sobrevida nos momentos de auto-fagia estomacal.

Café da manhã:
- Frutas;
- Granola;
- Ração humana: eu mesmo faço a minha com aveia, amaranto, quinua real, gérmen de trigo e farinhas de castanha de caju, linhaça, gergelim, girassol, soja, milho e laranjeira com mel de engenho (melaço de cana), receita de nutricionista. Adicionei marapuama e guaraná, à revelia;
- Cuscuz;
- Tapioca com côco;
- Pão integral com margarina Becel; *
- “iogurte” ou “danete” de soja: a linha Naturis, da Batavo, é ótima; *
- Torrada integral com patê de soja com azeitona, alho ou outros sabores: sempre encontro na Mundo Verde;
- Bolacha Cream Cracker integral: sem lácteos ou ovos, encontrei a Pilar e Marilan;
- Sanduíches com tofu (“queijo” de soja) misturado com shoyu: encontro tofu na Mundo Verde ou no Extra;
- “Shakes” de soja – tenho consumido os da Jasmine: com Nescau 2.0 (não contem lácteos); *

Almoço:
- Saladas e vegetais em geral: sempre uma boa opção. Sempre verifico se há queijo ou presunto (estranho, mas tem gente que põe presunto!);
- feijão verde: é bom ter cuidado, pois já encontrei feijão com charque!
- Arroz: de preferência vermelho ou integral. Na falta, um arroz branco quebra o galho. Na dúvida, não como arroz refogado;
- Macarrão: sempre verifico, pois muitas massas contém ovos;
- Proteína texturizada de soja: fica gostosa, quando bem preparada, mas não recomendável para comer todos os dias;
- Milho, ervilha, azeitona, alcaparras, champingnon, palmito, cebola e outros vegetais/fungos em conserva;
- feijões preto, macaça e carioquinha e fava: em minha casa, são preparados sem carnes. Não me arrisco a comer na rua;
- Macaxeira, batata, inhame e afins;
- Farinha de mandioca;
- Batatas fritas: com moderação;
- “Carne” de beterraba, caju, cenoura e outras invenções: por incrível que pareça, o resultado pode ser muito bom;
- Similares de almôndegas, salsichas, bifes, medalhões e afins, feitos de soja: nunca comprei, mas vi vários tipos para vender no Extra;
- Miojo de Yakisoba, sabor oriental: existe outro Yakisoba da Nissin, sabor tradicional, que é preparado com carne e frango; *
- Yakisoba vegetariano: opção disponível ou negociável em alguns restaurantes. Sempre pergunto se o macarrão e/ou o bifum (em tese, feito somente de arroz) contém ovos;
- Azeite: sempre;
- Sucos;
- Hamburguer de soja da Perdigão; *
- Molhos madeira e barbecue, cat chup e mostarda;
- Sobremesas: salada de frutas, rapadura, alguns chocolates meio amargos e goiabada;

Jantar:
- Pão francês com patê, Becel, tofu, etc: o pão francês, em tese, é feito com farinha, sal e fermento. Algumas padarias usam ovos. Eu sempre pergunto;
- Pão integral com acompanhamentos;
- Cuscuz;
- Macaxeira, batata, inhame e afins;
- Açaí: sempre enfatizo bem: “sem leite condensado, farinha láctea e mel”;
- Nozes;
- Sucos: e os sucos de ameixa ou açaí sem leite também ficam gostosos;
- Hamburguer de soja da Perdigão; *

Lanches:
- Frutas ou saladas;
- Pastel de soja: encontro na Mundo Verde, Casa dos Integrais ou na faculdade em que trabalho;
- Barrinha de cereais: até agora, só encontrei “limpas” as de castanha-do-pará e banana da Nutry;
- Castanhas de caju e amendoim;
- Batatas fritas;
- Club Social, sabor Original: os outros que pesquisei contém lácteos; *
- Negresco, Escureto e afins: me surpreendi quando descobri que não contém lácteos; *
- Salgadinhos integrais da Vitao;
- Sojinha: grãos de soja crocantes – encontro na Casa dos Integrais e na Mundo Verde;
- Salgadinhos de batata frita, como Ruffles (sabor Original), Stack (sabor Original) e afins, ou batata palha; *
- Hamburguer de soja da Perdigão; *
- Chocolates: Orgânico da Cacau Show, Meio Amargo da Casino (Pão-de-Açúcar), da marca Carrefour, em barra de 1 Kg da Harald ou em tabletes disponíveis na Mundo Verde;

Provavelmente estou esquecendo muitas coisas. Existem vários livros, sites, e comunidades no Orkut com muitas receitas interessantes. As informações acima têm caráter de exposição de possibilidades acima e não são recomendação ou sugestão. Se tiver interesse, recomendo procurar um nutricionista, como eu o fiz.

Os produtos marcados com asterisco (*) são produzidos por marcas boicotadas por veganos, por utilizarem, em outros itens, ingredientes de origem animal e/ou testarem em animais os seus produtos.

About these ads

Written by candeeiroverde

24 de abril de 2010 às 2:53 pm

Publicado em Uncategorized

6 Respostas

Assinar os comentários com RSS.

  1. Acredito que ser vegetariano é um dos primeiros passos para salvar vidas… seja elas animal ou humana!

    Larissa Silva

    23 de janeiro de 2011 at 3:26 pm

  2. eu tenho 16 anos e comecei a ser vegetariana a pouco tempo eu nao tenho um cardapio serto, mais reparei que me sinto melhor depois de ter virado vegetariana.Muitas pessoas me criticam por ter adotado isso, mas eu peguei nojo a carne, eu ainda nao consegui parar de comer ovo mas logo, logo eu paro.

    viviane

    6 de março de 2011 at 1:22 am

  3. Estou tentando ser vegetariano, mas meus familiares nao me apoiam. Estou a 2 semanas sem comer itens derivados da carne

    DIETER

    27 de março de 2011 at 6:46 pm

  4. Eu tenho 14 anos, e criei consciencia de que isso não ta certo, matar para sobreviver. Quero muito seguir uma dieta vegetariana, mais ta um pouco dificil, porque todos aqui em casa comem muita carne, e não tenho muito incentivo pra isso. Mais tenho certeza que consigo. (yn) porque meus principios vem além de alguns mizeros incentivos, o que importa é a minha força de vontade, vou conseguir.
    Beijos, JAH BLESS YOU !

    Leetícia Paes

    28 de março de 2011 at 11:20 pm

  5. @ Leeticia Paes , estamos passando por mais o menos a mesma situação , no meu caso eu mesmo sem o apoio da familia que para eles tanto faz ser vegetariano ou não , contanto que eu coma. mas sem o apoio da familia hoje faz 5 dias ( o que é muito pouco de facto ) mas 5 dias que perante essa minha familia tão ” carnivora” estou com forças se alimentando de saladas, arroz branco, grão de bico, pão sem mortadela ou presunto, apenas margarida ou geléia, sucos, etc.. o meu maior problema está no leite.. está sendo muito dificil para mim porque na minha casa, a minha mãe em muitas das refeições acrescenta leite, e querendo ou não eu acabo por consumi-lo =\ … com o tempo ela vai ter que entender que ser vegetariano , foi uma opção de vida. estou confiante =) . beijos by : Jonathan Santos ( 16 anos ).

    Jonathan

    3 de maio de 2011 at 6:28 pm

  6. Eu sou vegetariana a 2 semanas, e desd entao m sinto mais leve, so d pensar que estou salvando um ser vivo iss o m deixa mt feliz… Mts aki em ksa nao me apoiam mais eu nao me importo nenhum poko, so eu sei como e bom saber que estou salvando um animal inocente *_*.

    Doora

    4 de maio de 2011 at 12:18 am


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: